• Andrey Sommavilla

Síndrome do Desfiladeiro Torácico

Atualizado: Jan 16



A síndrome do Desfiladeiro Torácico se refere à compressão das estruturas neurovasculares no espaço entre a clavícula e a primeira costela (desfiladeiro torácico).

Existem três tipos principais:

  • Neurogênico (95%) - Compressão Plexo Braquial.

  • Venoso (4%) - Compressão veia Subclavia.

  • Arterial (1%) - Compressão Artéria Subclavia.

As causas comuns incluem, traumas, lesões por esforço repetitivo, alterações posturais ou anatômicas, como a presença de uma pequena costela extra na região do pescoço, alterações musculares, como hipertrofia ou contraturas que ocorrem em atletas. Dessa forma, algumas vezes a pessoa nasce propensa a isso e em outras ela pode adquiri-la no decorrer da vida.

Os sintomas incluem fraqueza nos braços, dor e formigamento principalmente no quarto e quinto dedos das mãos. O comprometimento do fluxo sanguíneo pode causar inchaço e vermelhidão ou uma aparência azulada na pele, ou ainda uma sensação gelada nos braços; também pode se tornar difícil realizar atividades que exijam a elevação dos membros superiores.

O tratamento é multidisciplinar e envolve médicos, fisioterapeutas... Em casos raros, a cirurgia pode ser necessária para aliviar a compressão.

O tratamento osteopático da síndrome do desfiladeiro torácico tem como objetivo melhorar a elasticidade dos tecidos e permitir que haja maior mobilidade das estruturas ao longo do desfiladeiro. Para isso são utilizadas manobras manipulativas, de músculo energia, liberação miofascial... Além disso podem ser orientados exercícios diários para controle do quadro. Os resultados em geral são muito bons!⁣⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

14 visualizações