• Andrey Sommavilla

Cervicalgias: Como funciona o pensamento Osteopático

Atualizado: Jan 16



Os problemas na coluna cervical são uma grande causa de dor e desconforto na população e tem afastado muitas pessoas de suas atividades de vida diária, como trabalho, esporte e lazer. Atividades simples, como digitar e dirigir tornam-se difíceis e as vezes incapacitantes. A região cervical possui conexão direta ou indireta com diversas partes do corpo, como a cabeça, o ombro, a torácica e a região lombar. E é sobre isso que vou escrever aqui. Sobre como essas conexões podem interferir no bom funcionamento do corpo e gerar dores na cervical.

Alterações vertebrais, musculares, ligamentares cervicais e torácicas decorrente de traumas (wiplash cervical), movimentos repentinos ou repetitivos e alterações posturais podem aumentar ou diminuir o tônus de alguns músculos que se inserem nas vértebras (levantador da escápula, escalenos, esplênios, trapézio) e podem gerar sintomas tanto na cervical quanto nos membros superiores.

Toda região cervical é recoberta por fáscias. Traumas, infecções, inflamações, e principalmente pós cirúrgicos (cicatrizes) podem acarretar em uma tensão das fáscias que dificultam o trabalho muscular e articular, gerando stress tecidual e dor.

Vários músculos que fazem a ligação da mandíbula, língua e clavícula se inserem no osso hioide e qualquer problema tanto na mandíbula quanto no ombro podem causar dores cervicais.

Músculos ligam as costelas com as vértebras cervicais, como o longo do pescoço, semi-espinhais e esplênios. Problemas nas costelas podem repercutir em dores cervicais.

A face superior do diafragma estabelece ligações diretas com o pericárdio, através dos ligamentos frenicopericárdicos. O pericárdio, por sua vez, estabelece fortes conexões com o esterno através dos ligamentos esternopericárdicos, com a charneira cervicotorácica (C7-T1) e vértebras torácicas superiores, através dos ligamentos vertebropericárdicos.

Considerando estas ligações não fica difícil fazer correlações entre o diafragma e o sistema esquelético, neste caso as vértebras cervicais. Assim, tensões diafragmáticas anormais podem ser produzidas por vísceras, ou estruturas relacionadas a ele, o que por consequência, poderá ser transmitida para as vértebras torácicas e cervicais. O envolvimento destas estruturas coloca muitas outras relacionadas a elas em risco, podendo estabelecer cadeias de tensão anormais transmitidas a outro sistema, como por exemplo, nas cervicobraquialgias.

Os pulmões são inervados pela região cervical baixa e pelas vértebras torácicas altas. Podem referir dores cervicais, torácicas e principalmente nos ombros, que também são inervados pela mesma região. Outra relação é pela diminuição da mobilidade das costelas, por que os pulmões se inserem diretamente nelas principalmente na primeira costela, que atuam na mobilidade articular do ombro.

Inervado pela região cervical e torácica, qualquer problema cardíaco pode referir dores no pescoço e em todo o membro superior. O coração influencia diretamente nas vértebras da transição cérvicotorácicas, pois existe um ligamento chamado vertebropericárdico que se estende do coração até a região anterior das vértebras.

Alterações vasculares comprometem o bem estar de todo o tecido da região cervical que recebem a vascularização direta da artéria subclávia, que se origina da artéria aorta. As principais artérias que vascularizam a cervical são as artérias carótidas e artéria vertebral. Qualquer problema tanto vertebral, ou algum trauma ou tensão nos tecidos próximos à região do manúbrio ou do pescoço (anterior), podem alterar o fluxo sanguíneo (pois alteram a inervação simpática vasomotora) e causar dores na cervical.

As vísceras digestivas (estômago e fígado), que por sua vez, são inervados por nervos torácicos têm uma relação com o nervo frênico (diafragmático) e acabam referindo dores na região dos ombros e cervical. O esôfago e a tireoide, também recebem a inervação da região cervical, podendo levar a dores nesse local.

Problemas na articulação sacro-ilíaca também podem gerar dores na cervical pois há uma conexão direta do occipital e sacro, via dura-máter, transmitindo disfunções entre eles, tanto ascendentes quanto descendentes.

Problemas posturais em qualquer segmento da coluna também podem levar a dores cervicais. O posicionamento da região lombar e torácica contribui para um bom ou mau posicionamento da cervical. Fora sofrer influência de todos os segmentos já comentados, alguns músculos da cervical reagem com pontos de tensão mediante estresse. Doenças crônico-degenerativas como hérnias de disco e artroses não costumam ter somente uma causa, mas um conjunto de fatores: má postura ao trabalhar, ler ou assistir à TV, sedentarismo, disfunções em articulações relacionadas com a cervical, movimentos repetitivos, estresse e fatores genéticos. Após um período com algumas dessas alterações, aparecem os primeiros sintomas e, se não tratados, podem causar dores muito fortes e incapacitantes.

#osteopatia #cervicalgia #saude #dor

0 visualização